Embaixada da República de Angola Belgrado-Sérvia

Geografia

Map of Angola

Angola situa-se na costa do Atlântico Sul da África Ocidental, entre a Namíbia e o Congo. Também faz fronteira com a República Democrática do Congo e a Zâmbia, a oriente. O país está dividido entre uma faixa costeira árida, que se estende desde a Namíbia até Luanda, um planalto interior húmido, uma savana seca no interior sul e sueste, e floresta tropical no norte e em Cabinda.

O rio Zambeze e vários afluentes do rio Congo têm as suas nascentes em Angola. A faixa costeira é temperada pela corrente fria de Benguela, o que tem como resultado um clima semelhante ao da costa do Peru ou da Baixa Califórnia. Existe uma estação das chuvas curta, que vai de Fevereiro a Abril.

Os verões são quentes e secos, os invernos são temperados. As terras altas do interior têm um clima suave com uma estação das chuvas de Novembro a Abril, seguida por uma estação seca, mais fria, de Maio a Outubro. As altitudes variam, em geral, entre os 1 000 e os 2 000 metros. As regiões do norte e Cabinda têm chuvas ao longo de quase todo o ano.

A costa é em sua grande maioria plana, com ocasionas alcantilados de baixa altura de rocha sedimentària de cor vermelho. Há uma baía profunda na costa chamada Baía dos Tigres. Para o norte encontram-se Porto Alexander, Little Fish Bay e Lobito Bay, enquanto as baías superficiais são numerosas.

Lobito Bay tem águas suficientes como para permitir a descarga de grandes barcos cerca da costa. O largo da banda costeira varia entre 30 e 100 miles (48 e 165 quilómetros). Esta região é de um modo geral escassamente abeberados e um pouco estéril.

A abordagem do planalto central da África grande é marcada por uma série de socalcos irregulares. As montanhas são cobertas pela abundante vegetação. Bastante rica em água, no verão somente se pode escavar nas camas dos rios. O Planalto tem altitudes desde os 4000 até 6000 ft (1200m até 1800m).

Bacias do Zambeze e Cubango constituem a drenagem desde o planalto central para Este, e para Sul do território angolano. A Este a drenagem do Cassai, mais a sul Lungué-Bungo, Cuando e Cuíto estes três últimos afluentes do Zambeze. A ocidente deste último situa-se a bacia endorreica do Cubango.

Angola tem bastantes grandes rios, na sua maioria, os rios são navegáveis em curtos troços junto à foz, correm em vales encaixados, e têm rápidos e cataratas ao longo do curso. Os maiores são o Kwanza e o Kunene. Os cursos dos ríos são generalmente paralelo à costa, Tala Mugongo (4400 ft., 1350 m), Chella e Vissecua (5250 ft. a 6500 ft. ou 1500 a 2000 m).

Na província de Benguela os pontos os mais elevados são: Loviti (7780 ft., 2370 m), em 12° 5 ‘ S., e em Mt. Elonga (7550 ft., 2300 m). O Sul do Kwanza é a montanha vulcânica Caculo-Cabaza (3300 ft., 1000 m). Para o norte discorrem os rios Cuango, Cuílo, Cuangue, Cassai, todos afluentes do Congo.

O rio Kwango é afluente do rio Kasai perto da cidade de Bandundu e com uma longitude de 1 100 km discorre por Angola a República Democrática do Congo, formando fronteira entre ambos países.

O rio Kasai também é fronteiriço e se reúne com o Rio Congo na localidade de Kwamouth. Para o este se dirigem as afluentes do Zambeze, como Okavango, drenagem do Lago Ngami.

Geologia

As formações sedimentares são encontradas dentro de três zonas distintas: Zona litoral, Zona media formada por uma serie de montanhas, mais ou menos paralelas com a costa e Planalto Central.

Rochas Sedimentares efusivas e metamórficas de cobertura de idade Quaternária à Terciária compreendendo areias, arenitos quartzito, burgaus e argila estendendo-se para cima de metade do território, incluindo toda a parte leste de Angola.

Sedimentos marinhos pleistocénicos a cretácicos jazem numa série de bacias costeiras na margem ocidental de Angola.

Sedimentos Mesozóicos a Paleozóicos equivalentes ao súper grupo Karoo ocorrem principalmente no Graben Cassange, uma depressão de trend geográfico centro-norte a noroeste.

Ocorrem numerosos corpos sub-vulcânicos e vulcânicos, incluindo Kimberlitos e carbonatitos ao longo de um lineamento principal de direcção trend sudoeste a nordeste atravessando Angola, bem como basaltos, doleritos, sienitos, traquitos e fonólitos.

Cinturões do Proterozóico superior(de Idade Panafricana) ocorrem ao longo do escudo Precâmbrico, sendo os mais importantes o Congo Ocidental, Damara e Maiombe-Macongo. Eles são caracterizados pela ocorrência de mineralizações de metais básicos e uma variedade de minerais industriais.

Rochas proterozóicas e Arqueanas formam os escudos Angolano, Maiornbe, Cassai e Bangweulo e o horst do Kwanza. Formacões granitíco-gneissicas, meta¬vulcano-sedimentar e meta-sedimentar, (cinturões verdes) estão presentes no Centro-sul de Angola (Cassinga e Menongue). O complexo básico (ultrábasico) do Cunene ocupa 20.000 Km2 da parte sudoeste do escudo Angolano.

Localização

África meridional, nas costas do oceano Atlântico Sul, entre a Namíbia e a República Democrática do Congo

Coordenadas geográficas

12º 30’ S, 18º 30’ E

Referências cartográficas

África

Área

  • Total – 1 246 700 km²
  • Terra – 1 246 700 km²
  • Água – 0 km²

Área – comparativa

  • 24 vezes maior que a Bósnia e Herzegovina
  • 11 vezes maior que a Bulgária
  • 49 vezes maior que a Macedónia
  • 5 vezes maior que a Roménia
  • 14 vezes maior que a Sérvia

Divisões administrativas

Angola é composta por 18 províncias: Bengo, Benguela, Bie, Cabinda, Cuando Cubango, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Cunene, Huambo, Huila, Luanda, Lunda Norte, Lunda Sul,Malanje, Moxico, Namibe, Uige, Zaire.

Capital

Luanda

10 cidades maiores

  1. Luanda – 2,405,600
  2. Huambo – 173,600
  3. Lobito – 137,400
  4. Benguela – 134,500
  5. Namibe – 132,900
  6. Kuito – 88,700
  7. Lubango – 75,800
  8. Malanje – 71,600
  9. M’banza-Kongo – 67,600
  10. Uíge – 49,000

Fronteiras terrestres

  • Total – 5 198 km
  • Países fronteiriços: República Democrática do Congo – 2 511 km (dos quais 220 km são fronteira com a província de Cabinda), Namíbia – 1 376 km, Zâmbia – 1 110 km, Congo – 201 km

Costa

1600 km

Reivindicações marítimas

  • Zona contígua – 24 milhas náuticas
  • Zona económica exclusiva – 200 milhas náuticas
  • Águas territoriais – 12 milhas náuticas

Clima

Como o resto da África tropical, Angola tem duas estações: a estação das chuvas e a estação seca. O clima é semi-árido no sul e ao longo da costa até Luanda; o norte tem uma estação fresca e seca durantes os meses de Maio a Outubro e uma estação quente e chuvosa nos meses de Novembro a Abril.

A região do interior é dividida em três zonas: A zona Norte, com elevada pluviometria e temperaturas altas; A zona de altitude, nos planaltos centrais, caracterizada por temperaturas anuais médias próximas dos 18 graus, com temperaturas mínimas acentuadas na estação seca; A zona sudeste, semi-árida por causa da proximidade do deserto do Calaari.

As temperaturas são baixas mesmo durante a estação quente. Esta região fica sob a influência das grandes massas de ar tropical continental. A temperatura média anual no São Salvador, Congo, é 22.2° C (72.5° F); em Luanda 23.3° C (74.3° F); e na Coconda 19.5° C (67.2° F).

O clima é influenciado pelos ventos W., S.W. and S.S.W., Angola tem duas estações: a estação fria nos meses de Junho a Setembro e a estação chuvosa de Outubro a Maio. As chuvas mais fortes ocorrem em Abril, acompanhadas por violentas tempestades.

Terreno

O território pode ser dividido em três zonas naturais: faixa litoral; zona de transição para o interior e planalto antigo. O ponto mais alto em Angola é Morro de Moco, 2.620 metros.

Faixa litoral

A faixa litoral, que se estende ao longo de toda a costa de Angola, é caracterizada por planícies e terraços baixos, com a largura que varia deste 20km a sul de Benguela até mais que 150km de extensão na foz do rio Cuanza, e é diferente nas áreas montanhosas.

A Corrente Fria de Benguela é uma corrente de águas frias acompanhadas de ventos frios que fazem a região relativamente ou quase árida no sul de Benguela (onde está formando a extensão do norte do deserto do Namibe), e bastante seca no norte.

Mesmo no território de Luanda, a precipitação anual média poderá ser de cinquenta centímetros, as chuvas não faltam. Dado este teste padrão da precipitação, o sul distante é marcado pelas dunas de areia, que levam a seca ao longo da costa média.

As parcelas da planície litoral do norte são cobertas pela escova grossa. O sul e caracterizado pelas dunas e uma clima seco. Mais para o interior da faixa litoral é vulgar a acumulação de detritos grosseiros.

O Cordão de Montanhas

O cordão de montanhas situado, ao longo da costa ganha altitude à medida que se caminha para Sul. O rio Kwanza divide a zona de montanhas costeiras em duas regiões distantas: a metade Norte com montanhas de elevação média de cerca de 500 metros, com picos atingindo entre 1.000 e 1.800 metros, é relativamente acidentada, na província do Uíge.

As montanhas da orla costeira a sul do Kwanza, que se erguem abruptamente na forma de grandes escarpados, chegando os picos desta cadeia montanhosa a atingir os 2.500 metros a sul do Sumbe, e os 2.000 metros de escarpados já bem a sul na região da Serra da Chela, a sul do planalto da Huíla.

O Planalto Interior

O extenso planalto antigo do interior, a leste da orla de montanhas paralelas à costa, constitui a grande massa do território angolano. O planalto, descendo de altitudes máximas de 2.500 a 2.300 metros nas serras altas, é em norma plano, descendo ligeiramente para o interior e para Nordeste, até aos cursos dos rios Cuilo e Caluango, nas Lundas, onde predomina a floresta de galeria.

O planalto de Malanje no Norte raramente excede a altitude de 1.000 metros. O grande planalto angolano é de facto constituído por vários plateaus (Malange, Benguela, Huambo, Bié e Huíla), relativamente independentes cortados pelas bacias dos rios que correm para o rio Zaire a norte, para o Atlântico a oeste, para o Lago Etosha a sul ou para o rio Zambeze a sudoeste.

Hidrografia

Os rios que nascem no planalto angolano e que o cortam em bacias hidrográficas diferenciadas são talvez o factor mais importante no padrão de ocupação humana das terras de Angola.
A maioria dos rios angolanos nascem nas terras altas do planalto central e corre para a costa atlântica, providenciando água para as áreas secas, assim como oferecem um potencial muito grande para aproveitamento hidroeléctrico, sendo que somente uma ínfima parte foi utilizada até 1998.

Os dois ríos mais importantes, são o rio Kwanza e o rio Cunene, Kwanza a Norte e o Cunene a Sul. O Kwanza é navegável por aproximadamente 200 km por barcos comerciais ou militares de grande tamanho. O Rio Congo é também navegável e faz fronteira com o Zaire.

No quadrante sudeste do território de Angola, todos os rios correm na direcção sudeste formando a orla ocidental da grande bacia do Zambeze. Pela sua importância devemos mencionar os rios Cubango, Cuito, Cuando, Luiana, Lungué-Bungo e o próprio Zambeze no saliente do Cazombo.

Recursos Naturais: petróleo, diamante, ferro, fosfato, cobre, ouro, bauxite e urânio.

Uso da terra

  • Terra arável – 2,41%
  • Cultivo permanente – 0,4%
  • Outros – 97,19% (estimativa de 1999)

Terra irrigada

750 km² (est. 1998)

Perigos naturais

As chuvas locais fortes causam inundações periódicas no planalto

Ambiente – problemas actuais

O excessivo uso de pastagens e consequente erosão dos solos, atribuível a pressões populacionais; desertificação; desflorestação de florestas húmidas tropicais em resposta, quer da procura internacional por madeiras tropicais, quer do uso doméstico para combustível, resulta na perda da biodiversidade; a erosão dos solos contribui para a poluição aquática e para a situação problemática dos rios e barragens, assim como do abastecimento inadequado de água potável.

Flora e Fauna

A flora e a fauna são uma amostra da diversidade da África Tropical. Com uma variedade de clima e vegetação tão grandes, encontramos assim em Angola uma grande variedade de animais. Em termos gerais, a fauna angolana reparte-se em fauna de savana, de floresta, de montanha e de deserto.

Assim, na região a norte do Kwanza e ao abrigo das florestas equatorial, tropical e de galeria, encontramos o macaco, o chimpanzé na floresta do Maiombe, em Cabinda, a pantera, as aves de pluma brilhante, o jacaré e o cavalo-marinho.

Na savana, nas anharas do leste e nas chanas das Terras do Cuando Cubango encontramos os grandes herbívoros como o elefante, o rinoceronte, o hipopótamo e o búfalo, a pacaça, a girafa e a zebra, a gazela, o antílope, a palanca e a cabra-de-leque.
Por sua vez, a maioria destes herbívoros servem de alimento aos carnívoros como o leão, o leopardo e a onça, a hiena, o mabeco, o lince, e a raposa.

Pontos extremos

A lista de pontos extremos de Angola, pontos o mais distantes no Sul, Norte, Oeste e Este.

Angola

  • Norte: ponto sem nome na fronteira com a República do Congo (a norte da localidade de Caio Bemba, província de Cabinda);
  • Este: secção de rio na fronteira com a Zâmbia (a norte da localidade de Sapeta na Zâmbia), província do Moxico;
  • Sul: ponto do rio Cunene na fronteira com a Namíbia (imediatamente a norte da localidade de Andara, Caprivi, Namíbia), província do Cuando Cubango;
  • Oeste: ilha da Baía dos Tigres, província do Namibe.

Angola (continente)

  • Norte: ponto na fronteira com a República Democrática do Congo a noroeste da cidade Luvo, Província Zaire;
  • Este: ponto sem nome no rio na fronteira com a Zâmbia (a norte da localidade de Sapeta na Zâmbia), província do Moxico;
  • Sul: ponto do rio Cunene na fronteira com a Namíbia (imediatamente a norte da localidade de Andara, Caprivi, Namíbia), província do Cuando Cubango;
  • Oeste: ponto sem nome no oeste da Tombua (Porto Alexandre), Namibe.