Embaixada da República de Angola Belgrado-Sérvia

Cultura e Arte

Ritmos de Angola

Como produto e fato da cultura, a música intervém constantemente em toda a vida do povo. A música de Angola foi criada nos anos 40 quando o grupo Ngola Ritmos introduziu a música urbana no pais durante o tempo colonial. o grupo Ngola Ritmos começou a compor letras que falavam do momento político do país exaltando o nacionalismo em dialectos nacionais. A música contribuiu o processo de independência de Angola.

A música do tempo da pós-independência tornou se política, mostrando a situação no país. A qualidade da música sofrou e depois de um desenvolvimento rápido desde os anos 40 até a metade dos anos 70 a evolução estagnou.
De caminho, fica um olhar sobre a experiência da guerra colonial, o despontar de uma música de intervenção angolana e o seu crepúsculo nos anos 80, face à progressiva divulgação da música urbana de modelo anglo-saxónico e o recrudescer dos estilos tradicionais.

No princípio dos anos 90 surgiu o Kuduro, que é a fusão da música batida, com estilos tipicamente africanos, criados e misturados por jovens Angolanos, adaptando-se a forma de dançar que é soltar a anca para os lados em dois tempos. Este tipo de música é tão forte como heavy-metal e a sua mensagem é sempre muito forte, se os versos falem de amor, guerra, sexo, a paz ou degradação social.

Hoje em dia em Angola se destaca por muitos estilos musicais diferentes, os principais: a Semba, a Kizomba, aCapoeira e a Kabetula.

Semba

É uma dança de salão angolana urbana. Dançada a pares, com passadas distintas dos cavalheiros, seguidas pelas damas em passos totalmente largos onde o malabarismo dos cavalheiros conta muito a nível de improvisação. O Semba caracteriza-se como uma dança de passadas. Não é ritual nem guerreira, mas sim dança de divertimento principalmente em festas, dançada ao som do Semba. Uma dança de cadência rítmica ligeiramente acelerada.

Kizomba

Kizomba é uma terminologia Angolana da expressão lingüística Kimbundo que significa“festa” surgido em angola na década de 80 sendo uma fusão do semba (um predecessor do samba) com outros estilos musicais, a saber o Zouk. É dançado idealmente acompanhado por um parceiro, muito próximo um do outro e lentamente, podendo também ser rapidamente. Exige uma grande flexibilidade nos joelhos, devido à exigência frequente dos casais( pares) se movimentarem de cima e para baixo lembrando uma verdadeira música de salão. A influência do kizomba de Angola é sentida na maioria da África Lusófona e em Portugal.

  • Semba é uma dança de salão urbana. É uma dança dance-à-deux, mais pode ser uma oportunidade para solistas.
  • Kizomba é uma mistura de ‘passadas’ dançada com ritmos de zouk e semba.
  • Tarrachinha é uma das danças modernas da Angola moderna. Ao contrário da Kizomba dança-se de forma normal rítmica, evidenciando-se a sensualidade e até certo ponto o erotismo.

O Carnaval

O Carnaval é uma das actividades culturais muito importante em Angola. Uma vez por ano todos em Angola observam esta manifestação de carnaval.

Capoeira Angola

Após mais de quatrocentos anos de perseguição e proibições, o jogo da capoeira angola chega aos nossos dias, com um conteúdo artístico, filosófico, cultural e social, que o tornam uma das mais importantes manifestações de nosso povo, sendo conhecido e praticado em todo o mundo. Divide se em Capoeira Regional e Capoeira Angola. É uma arte que integra corpo, mente e espírito, a sua prática é realizada em grupo e está presente numa roda de capoeira Angola um conjunto de expressões que incluem luta, dança, ancestralidade, música, teatro, filosofia, espiritualidade, brincadeira e jogo. A capoeira Angola preserva uma série de valores tradicionais africanos, que orientam o comportamento das pessoas participantes, tanto individuais como colectivamente, fortificando a identidade e a responsabilidade de cada um com o papel de resistência, libertação e transformação social que fazem parte dos princípios formadores desta arte. Berimbau é o instrumento relacionado com a capoeira, determina o tipo de luta (Ango a ou Regional).

Escultura de Pensador, Símbolo de Cultura Nacional Angolana

A peça designada Pensador, é uma das mais belas esculturas de origem Cokwe, constituindo hoje o referencial cultural inerente a todos os angolanos, visto tratar-se do Símbolo da Cultura Nacional. Olhando para esta escultura, misturam-se os sentimentos mais diversos e, tentar exprimir a emoção que ela provoca, a estética que lhe é intrínseca, sugere interrogar como admirá-la: se com olhar de alguém endógeno ao grupo que assumiu como símbolo da sua cultura, ou se admirá-la como alguém capaz de livremente interpretar a sua estética e tecer opiniões a respeito.

As premissas interligam-se e prevalece a importância de perceber o Pensador no seu contexto, não perdendo de vista que, quanto melhor se conhece esta peça, melhor se poderá falar dela e novos elementos de análise vão surgindo. Ela representa a figura de um ancião, que pode ser uma mulher ou um homem. Concebida simetricamente, face ligeiramente inclinada para baixo, dimana um subjectivismo intencional.

Em Angola, os idosos ocupam um estatuto privilegiado. Eles representam a sabedoria, a experiência de longos anos, os conhecedores dos segredos da vida.

A dinâmica emprestada a esta peça reflete o alto conhecimento e a intenção estética do seu autor(aónimo), que foi capaz de lhe conferir o equilíbrio do gesto calmo, tranquilo, sereno e a harmonia da mensagem mais ou menos enfatizada na utilização dos espaços abertos e fechados, de tal maneira humanizada, que acreditamos por isso estar em presença de uma das mais belas obras de arte jamais concebidas.

Esta peça trata-se do segundo estudo escultórico elaborado a partir do original, furtado das colecções do Museu Nacional de Antropologia, por acções de pirataria de arte.

A grande maioria dos cerca de 12.000.000 de habitantes que constituem a população de Angola provém de povos de origem bantu. Outra componente considerável porém, surge da miscigenação que desde cedo começou a existir; primeiro entre diversos grupos que migraram para o território e posteriormente com europeus (portugueses na grande maioria) durante o período da colonização. Existem ainda algumas minorias de não bantus como os bosquímanos ou boximanes e um número considerável de europeus.

O Grupo mais numeroso é Ovimbundu, este grupo ocupa um vasto espaço a meio da metade centro-oeste de Angola, subindo da beira-mar para as terras altas e fala a língua Umbundu. Mbundu estão concentrados na capital, Luanda e falam a língua Kimbundu.

Bakongo ocupam Cabinda e o nordeste, entre o mar e o rio Cuango, fronteira com Congo e República Congo. Outros grupos importantes incluem Lunda, Chokwe, e Nganguela no este. O pequeno mais importante grupo de mestizos (Português-Africanos) vivem nas cidades maiores, especialmente Luanda. Antes do ano 1975, Angola tinha um dos maiores grupos de minorias brancas em Africa, muitos nunca viram o Portugal, mais a maioria abandonou o pais por temor da independência. A lingua oficial é o português, e maioria de Angolanos são Católicos Angolanos. Existe também um pequeno número de protestantes e as pessoas que praticam exclusivamente religiões tradicionais.
A arte da máscara azul de Angola, como a maioria da arte africana, as máscaras de madeira e as esculturas não são criações meramente estéticas. Elas têm um papel importante em rituais culturais, representando a vida e a morte, a passagem da infância à vida adulta, a celebração de uma nova colheita e o começo da estação da caça. Os artesãos angolanos trabalham madeira, bronze e marfim, nas máscaras ou em esculturas. Cada grupo étnolinguístico em Angola tem seus próprios traços artísticos originais. Talvez a parte mais famosa da arte angolana é o “Pensador de Cokwe”, uma obra-prima da harmonia e simetria da linha. O Lunda-Cokwe na parte nordeste de Angola é conhecido também por suas artes plásticas superiores. Outras partes da assinatura de arte angolana incluem:

  • a máscara fêmea Mwnaa-Pwo desgastada pelos dançarinos masculinos em seus rituais de puberdade.
  • máscaras policromáticas de Kalelwa usadas durante ceremónias de circuncisão
  • máscaras de Cikungu e de Cihongo que conjure acima das imagens da mitologia de Lunda-Cokwe. Duas figuras chaves neste panteão são a princesa Lweji e o príncipe da civilização Tschibinda-Ilunga.
  • a arte em cerâmica preta de Moxico do centro/leste de Angola

Antes dos anos 80, todo o marketing dos artesãos estava sob o controle de Artiang, um braço do ministro da cultura. Entretanto uma vez que este monopólio comercial sobre a produção da arte foi removido, a arte em Angola floresceu. Enquanto as máscaras e as estátuas de madeira da África cresceram na popularidade no oeste, a indústria do artesanato em Angola procurou atender a demanda por arte africana. As máscaras e as bugigangas estilizadas, que são criadas para capturar o olho de um turista, são conhecidas geralmente como “a arte aeroporto”. São partes produzidas em série, ao gosto do turista médio, mas faltam todas as ligações reais com as tendências culturais mais profundas dos povos. Um dos maiores mercados de artesanato em Angola é o mercado de Futungo, logo ao sul de Luanda. É o centro principal do comércio de artesanato para turistas e expatriados. O mercado está aberto somente aos domingos. A maioria dos comerciantes do artesanato são Kikongo, embora os artesãos mesmos granizem de muitos grupos étnolinguísticos diferentes. Futungo tem também a vantagem adicionada de ser perto das praias bonitas ao sul de Luanda, onde muitos dos residentes de Luanda gastam seus fins de semana apreciando o sol e a areia da baía de Mussulo. Embora a maioria dos artigos encontrados no mercado de Futungo seja “da variedade da arte aeroporto”, pode-se encontrar um tesouro ocasional da arte, como na pintura de Alberto, um colector africano sério da arte.

As grandes transformações políticas e sociais no Zaire, no começo dos anos 90, resultaram num aumento do contrabando e da pilhagem de tesouros da arte dos museus do país. Algumas destas partes encontram seu caminho em Angola e são vendidas frequentemente a preços muito elevados. Mesmo se não se quer comprar uma lembrança africana, um passeio ao mercado de Futungo pode ser uma aventura. Os comerciantes frequentemente arranjam músicos com instrumentos tradicionais, tais como os marimbas e os kissanges, xingufos (chifres grandes do antílope) e cilindros para dar a sensação de um festival da vila. Os homens vestidos como guerreiros, a roupa desgastando das peles do antílope e do puma, os colares dos escudos e os chocalhos em seus tornozelos, adicionam ao sabor local do mercado.

Literatura ajudou a concentrar resistência anticolonial e desempenhou um papel importante na luta pela independência. O mais famoso poeta Angolano, António Agostinho Neto, foi o líder de importante movimento político. Suas obras são escritas com temas de liberdade e foram traduzidas em muitas línguas. A literatura do tempo da pós-independência, no entanto, tem sido limitada pela luta política e censura.

Muitos edifícios em Angola mostram as contribuições culturais dos portugueses. Algumas mostras mais antigas são igrejas que serviam para os missionários para o Reino do Congo. Um bom exemplo é a Igreja do Se da cidade de Mbanza Kongo.

A construção de fortalezas corresponde ao tempo de escravos.

A data mais recente construção de muitos costeiro fortes corresponde à área da crescente tráfico de escravos. A mais famosa é a Fortaleza São Miguel em Luanda, a construção do XVII século. A Fortaleza de São Miguel foi classificada como Monumento Nacional no 1938, vindo a instalar-se nele, no ano seguinte, o Museu de História.
Considerada como um dos monumentos de Angola, a fortaleza foi recentemente restaurada. Propriedade do Estado, a fortaleza está hoje afecta aos Ministérios da Defesa e da Cultura. O Museu das Forças Armadas

funciona nas suas dependências. A Catedral de Luanda é uma catedral católica em Luanda, Angola. Foi construída em 1628 e pertence à arquidiocese de Luanda. Praticamente cada cidade costeira tem um conjunto de edifícios históricos semelhantes. A Igreja de São Tiago na cidade de Namibe, por exemplo, foi construída durante o século XIX num estilo muito rememorativo do XVI século.